Regras b√°sicas para executar acordes para guitarra e escalas subjacentes.

Regras b√°sicas para executar acordes para guitarra e escalas subjacentes.

Como se formam acordes para a guitarra

Este é o primeiro assunto que gera alguma confusão. A nota tonal do acorde deve ser sempre a mais grave na formação do acorde. Num piano isto é fácil, porque a disposição do teclado permite simplesmente deslocar a mão, mantendo-se como referência a nota tonal. Porém, numa guitarra, não é assim tão fácil, porque é preciso encontrar a disposição dos dedos que permite tocar só as notas que pertençem ao acorde e, ainda por cima, a nota tonal deve ser a mais grave a ser tocada.
Idealmente as notas devem ser tocadas na ordem da escala subjacente e, se poss√≠vel, “resolver” tamb√©m na nota tonal.
Se as notas do acorde não forem tocadas pela mesma ordem da escala subjacente, então diz-se que o acorde está invertido. Isto leva a outra confusão frequente na notação dos acordes: A nota de baixo alterada ou a inversão do acorde. Veja o seguinte exemplo:

 
 
 
 
 
 

displaychord(“ch1″,”ch2″,”x 3 2 0 1 0″,”drawnotes”)

 
 
 
 
 
 

displaychord(“ch3″,”ch4″,”0 3 2 0 1 0″,”drawnotes”) Ambos os acordes apresentados s√£o formas do acorde de D√≥ Maior. Por√©m, repare que na segunda imagem estamos a tocar tamb√©m a nota E (Mi). Como a nota E perten√ße ao acorde de D√≥ Maior, o acorde n√£o foi alterado mas est√° invertido. A simbologia deste acorde pode ser escrita de duas formas: CE ou Cinv I.
Então onde está a confusão ? Bom, o problema é que a notação CX também pode ser utilizada para acrecentar uma outra nota ao acorde de Dó. Por exemplo CF# significa um acorde de Dó, acrecentando também a nota F# à nota grave. Porém a nota F# não pertençe ao acorde de Dó maior, o que quer dizer que o acorde foi alterado.
 
Escala do acorde:
Para podemos começar a ver como se formam os vários tipos de acordes ainda temos que explicar o fundamental: a escala subjacente ao acorde e que permite a sua construção. Vamos supor um acorde baseado na nota tonal de Dó, a escala subjacente está na tabela que se segue:

C C#
Db
D D#
Eb
E F F#
Gb
G G#
Ab
A A#
Bb
B C C#
Db
D D#
Eb
E F F#
Gb
G G#
Ab
A
R(1) m2 2 m3 3 4 b5 5 m6 6 m7 7 8 m9 9 m10 10 11 b12 12 m13 13

A tabela é importante porque caracteriza os intervalos da escala de Dó. Repare no pormenor da designação das notas da escala de Dó: os graus 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 correspondem à escala maior de Dó. As restantes notas são diminuídas em relação à escala. Esta tabela aplica-se a todas os acordes. Por exemplo, em qualquer acorde de Ré Sustenido a escala subjacente é a que está na tabela que se segue:

D#
Eb
E F F#
Gb
G G#
Ab
A A#
Bb
B C C#
Db
D D#
Eb
E F F#
Gb
G G#
Ab
A A#
Bb
B C
R(1) m2 2 m3 3 4 b5 5 m6 6 m7 7 8 m9 9 m10 10 11 b12 12 m13 13

J√° se est√° mesmo a ver de onde v√™m aquelas designa√ß√Ķes esquisitas tipo Eb6/9 ou D#m7b5, ou n√£o est√° ? Esperem a√≠ que a nomenclatura ajuda mas existem uns pormenores de malvadez que vamos explicar quando chegarmos aos acordes de S√©tima.

 

Coment√°rios

coment√°rios

guitarrista

Nasceu em 1993. No tempo livre toca guitarra, aprendeu sozinho e n√£o sente a necessidade de um professor, porque o Google sabe todas as coisas. Aconselha a todos que queiram aprender a tocar guitarra sem gastar um centavo a acessar o blog tocar-guitarra.com

Parceiros

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.

Pular para a barra de ferramentas